"Amanhecer" será filmado no Brasil em novembro

Pronto, acabaram-se as dúvidas. Sérgio Sá Leitão, presidente da Rio Filme confirmou que Amanhecer, parte final da Saga Crepúsculo, será mesmo filmado no Rio de Janeiro. E será no mês de novembro. Leitão revelou isso em seu twitter em várias mensagens seguidas. Ele escreveu:

"Amanhecer será filmado no Rio em Novembro. Com o apoio total da Rio Filmes. Por questões de segurança não posso dizer quando e onde".

"O prefeito Eduardo Paes e o governador Sérgio Cabral se empenharam diretamente para viabilizar a filmagem de Amanhecer no Rio. Gol de placa! "

"Estima-se um investimento de US$ 2 milhões na economia do Rio. Aparentemente tudo certo para q a equipe venha e Amanhecer seja filmado aqui."

"Não é possível dizer mais nada. Conto com a compreensão de vcs. Acho que o Rio está se consolidado como destino de produções internacionais!"

"Todas as medidas de segurança serão tomadas para assegurar uma filmagem tranqüila. A Prefeitura e o Gov. do Estado darão o apoio necessário."

Havia uma grande dúvida se as filmagens aconteceriam no Rio de Janeiro, principalmente por causa da falta de segurança na cidade. A Summit chegou a dizer que não seria possível levar sua equipe por conta da violência, mas agora tudo se acertou.

SPOILER

As cenas feitas no Rio de Janeiro vão mostrar a lua de mel de Edward (Robert Pattinson) e Bella (Kristen Stewart), os protagonistas da saga. Inclusive, o longa já tem até o ator brasileiro Sebastião Lemos escalado para o elenco num papel ainda não divulgado. Mas certamente terá relação com os dois pombinhos apaixonados aqui no Brasil.

As partes 1 e 2 de Amanhecer começam agora a serem filmadas em Vancouver e na Louisiana. A direção dos dois longas é de Bill Condon e todos os atores que você viu em Eclipse - Robert Pattinson (Edward), Kristen Stewart (Bella), Taylor Lautner (Jacob), entre outros - estarão de volta em seus papéis.

O primeiro filme estreia em 18 de novembro de 2011 e o segundo chega aos cinemas em 16 de novembro de 2012.

A revista Entertainment Weekly revelou as primeira imagens oficiais do ator Chris Evans como o Capitão América do cinema



Captain America: The First Avenger estreia em 22 de julho de 2011 e o elenco tem Chris Evans como o Capitão, Hugo Weaving como Caveira Vermelha, Hayley Atwell como Peggy Carter, Sebastian Stan como Bucky Barnes, Samuel Jackson como Nick Fury entre outros. A direção é de Joe Johnston.

A história vai acontecer durante a Segunda Guerra Mundial e mostra o surgimento do herói que enfrenta as forças nazistas comandadas pelo Caveira Vermelha. O vilão trabalha a serviço de Hitler.

James Cameron assina contrato para mais duas sequências de 'Avatar'

Cineasta e Fox lançarão próximos filmes nos finais de 2014 e 2015.
Diretor disse estar feliz em ver seu mundo de fantasia 'crescer'.



O diretor James Cameron e os estúdios Fox fecharam nesta quarta-feira (27) um acordo para a produção de mais dois filmes inspirados em "Avatar". As sequências devem ser lançadas em dezembro de 2014 e dezembro de 2015, respectivamente.

"Essa é uma rara e marcante oportunidade que um cineasta tem de construir seu mundo de fantasia e o assistir crescer com recursos e parcerias de uma companha de mídia global", declarou o diretor, em um comunicado oficial.

A produção dos longas mais uma vez será do próprio Cameron e de Jon Landau, da Lighstorm Entertainment. "Com mais dois filmes na mesa de anotações, minha empresa e eu estamos embarcando em uma jornada épica com nossos parceiros da Twentieth Century Fox. Nossa meta é exceder as espectativas da audiência global com a riqueza visual e o poder da história do mundo de 'Avatar'", continuou.

De acordo com Cameron, as sequências não servirão para contar as origens do primeiro filme, mas irão continuar a explorar os temas e personagens "que tocaram os corações da audiência de todas as culturas ao redor do mundo".

"Não vejo a hora de retornar para Pandora, um mundo em que nossas imgainações podem correr livremente", escreveu Cameron.

Mais um exemplo interessante de marketing de guerrilha




Você já ouviu falar do termo “marketing de guerrilha”? Pois é! Muita gente já viu ações desse tipo de marketing pela rua, mas não sabia que se tratava disso.

O Marketing de Guerrilha é famoso por utilizar maneiras não convencionais de divulgar um produto ou uma marca, e na maioria das vezes com um orçamento apertado. Exatamente por isso, costuma ser a estratégia preferida de muitas empresas, que usam inovação sem pesar o bolso, atingindo um público-alvo com eficiência e baixo custo.

Um exemplo foi a campanha criada pela agência 25 Bungalow, de Madrid, contratada para divulgar o filme Resident Evil 4. Pegando a principal característica do filme, que são os zumbis dando susto nos telespectadores, a agência criou uma ação de guerrilha usando vários braços saindo por bueiros, canteiros, fontes e portas de ônibus, deixando as pessoas na rua enlouquecidas, até perceberem que se tratava de uma propaganda! Foi um barato!

O importante é você entender que o marketing de guerrilha funciona e, dependendo da sua imaginação, pode ter um custo muito baixo e uma repercussão muito alta!

E você? Já realizou alguma ação de marketing de guerrilha? Compartilhe!


O Egoísmo traz Felicidade! Você já viu alguma religião, seita ou filosofia ensinar isso?



O comportamento egoísta leva-nos a coisas piores, como agir com grosseria, falar asperamente e empurrar os outros para fora de nosso caminho (tanto literal quanto figurativamente falando).


Alguns egoístas erroneamente acreditam que, na verdade, não existe uma lei divina e conseqüentemente não há pecados. Desse modo, os egoístas contentam-se com a idéia de que o modo certo de agir depende da situação e não de mandamentos absolutos.

O egoísta, portanto, sente-se justificado em fazer tudo que esteja ao alcance de sua força e inteligência para conquistar o sucesso, uma vez que não existe nada que seja realmente errado.

Quando deixamos o egoísmo desenvolver-se, ocorre o mesmo que aconteceu com um grupo de crianças que "[cresceram] ( . . . ) e [começaram] a agir por conta própria", tornando-se rebeldes e obstinadas. Mudanças culturais devastadoras podem acontecer e realmente ocorrem "em poucos anos", chegando a substituir o imprescindível desejo de trabalhar em comunidade pelo desejo de individualmente buscar coisas fúteis e de pouco valor.

O grande egoísta usa as outras pessoas, mas não as ama.

Por estranho que pareça, quando os egoístas começam a sentir-se grandes, passam a achar que todos os outros encolheram!

Até as primeiras gotinhas de egoísmo representadas por nossas decisões egoístas mostram-nos a direção em que estamos seguindo.
Os minúsculos fios d'água se juntam, formando córregos e então riachos, até serem, no final, arrastados por grandes rios que deságuam no "abismo da miséria e angústia sem fim"

De uma forma ou de outra, todos os que agem de modo egoísta acabarão sofrendo as conseqüências de seus próprios atos, o que lhes será extremamente doloroso.

Para que possamos ter uma vida feliz, precisamos combater diminuir e dominar o nosso egoísmo. Como podemos fazer isso? Creio que a GENEROSIDADE é o caminho.

Veja o que a Bíblia diz sobre generosidade:

“Cada um cuide, não somente dos seus interesses, mas também dos interesses dos outros. Fp 2:4

“Compartilhem o que vocês têm ... pratiquem a hospitalidade”. Rm 12:13

“Há quem dê generosamente e se lhe acrescenta mais e mais. Outros retém o que deveriam dar e caem na pobreza. O generoso prosperará, quem dá alívio aos outros, alívio receberá”. Pv 11:24-25


Terceiro 'Homem de Ferro'



A Walt Disney Pictures já tem na sua agendinha a data de estreia do terceiro Homem de Ferro a chegar aos cinemas. Fãs do herói (ou apenas do senso de humor de Robert Downey Jr.), anotem: dia 3 de maio de 2013, ao menos nos Estados Unidos, Tony Stark estará de volta aos cinemas.

O filme será exibido, portanto, um ano depois de Os Vingadores, marcado para 4 de maio de 2012. A grande questão sobre o Homem de Ferro agora é saber se o diretor Jon Favreau, que assumiu os dois primeiros filmes do herói da Marvel, se mantém à frente da história.

Pessoas e conceitos mudam: Xuxa, pedofilia e a internet


A 1ª Vara Cível do Foro Regional da Barra da Tijuca, no Rio, soltou decisão liminar que obriga o Google a retirar de seus resultados de busca todas as referências e que liguem o nome da apresentadora Xuxa Meneghel ao adjetivo “pedófilo”.

A notícia é assim curta. Quando saiu nos jornais, uns parágrafos tantos seguiam ao lide acima salpicando detalhes que não mudam o essencial de uma afirmação tão simples.

O Google respondeu o óbvio: só indexa. Não tem o poder de alterar o conteúdo do que está na web. Censurar o índice dificulta encontrar mas não resolve o problema.

Se a história é simples de explicar num único parágrafo, o problema é complexo que só. Serve de metáfora para muitas de nossas dificuldades digitais.

Xuxa não é pedófila. Interpretou, no entanto, no filme Amor Estranho Amor, de 1982, uma personagem que a um momento seduz um rapaz duns 12, 13 anos. Hoje, chamamos isso de pedofilia. É que a cultura mudou.

Mas a história no filme de Walter Hugo Khouri é uma típica história brasileira. Foi contada com discreta singeleza no romance Amar, Verbo Intransitivo, de Mário de Andrade. Recontada em revistinhas um tanto rudes dos anos 50. Houve o tempo em que a iniciação sexual dos homens vinha cedo, mesmo, e com uma certa aparência de aula com prostitutas.

Não é mais assim, mas foi e, naquele tempo, não era feio.

A cultura mudou, Xuxa também. A jovem atriz do filme era uma entre tantas moças bonitinhas naquela virada dos anos 1970 para os 80 querendo se fazer famosa. Daquela carreira de modelo e atriz, Xuxa virou uma apresentadora desajeitada e de shorts curtos num programa infantil. A Xuxa atual é uma terceira versão. Mais conservadora, mais centrada, preocupada com crianças bem pequenas, empresária de sucesso.

Pessoas se reinventam, somos todos assim. O que fizemos no passado não necessariamente é representativo do que somos hoje.

Mas a internet registra e não perdoa. Num tempo anterior à rede, uma Xuxa rica poderia conseguir impedir a transferência do filme de VHS para DVD. Ele, aos poucos, teria desaparecido. Só que apagar o passado não é mais possível. Nem para ela, nem para nós.

É provavelmente injusto descrever com o adjetivo pedófilo o que se passa na tela. Era um outro Brasil, uma outra cultura. Para melhor ou pior, somos outros. Mas há quem, por picardia ou opinião, descreva a cena como pedófila.

Censurar o Google é censurar o índice. Mas o índice só mostra a rede como ela é. Falseá-lo é disfarçar a realidade. Se todos os que se considerarem de alguma forma injustiçados puderem alterar o índice da maior biblioteca do mundo, que nova cultura estaremos criando?

É evidente que o desconforto de Xuxa é sincero. O desconforto de muitos com seu passado é sincero. E, quando a caracterização desse passado é distorcida, a dor fica maior.

A cultura muda. A internet exige de todos nós outra mudança. No passado, todos temos nossos pecadilhos. Se esperamos tolerância, carece tolerarmos os dos outros. Num mundo de tolerância digital, Xuxa não precisaria pedir censura. E a rede permanecerá livre.


retirei do site http://blogs.estadao.com.br/pedro-doria/2010/10/17/pessoas-e-conceitos-mudam-xuxa-pedofilia-e-a-internet/#comments

Algumas decepções do cinema



Piratas do Caribe No Fim do Mundo: Não bastasse o terceiro filme da série do pirata Jack Sparrow ser bem inferior aos dois primeiros, a aventura se estende por longos 170 intermináveis minutos de tramas inúteis e deixando espaço para novos filmes


Rocky V: Ninguém poderia esperar muito de uma sequência de Rocky, mesmo assim a quinta parte foi frustrante. Não apenas o personagem não sobe aos ringues, mas também toma atitudes que destoam do que fez nos outros da série, como colocar Paulie para cuidar de seu dinheiro


Godzilla: Durante um ano, os estúdios soltaram diversas propagandas sobre o filme do grande monstro oriental. Pelas fotos, trailers, e pelo investimento que fizeram, o longa tinha tudo para ser um sucesso absoluto. Até que estreou e não conseguiu corresponder às expectativas



Batman e Robin: A decepção com o longa de 1997 do herói foi tanta que os fãs do personagem elegeram este o pior filme da história do cinema. Não bastasse o roteiro ruim, os personagens mal desenvolvidos, o que mais causou desgosto foi o uniforme dos super-heróis, que viraram motivo de piada



A Fantástica Fábrica de Chocolate: Tim Burton no comando de um dos maiores clássicos de fantasia dos anos 70 era a promessa de um grande filme, mas não causou muito impacto. Com o tempo, a obra se tornou apenas um argumento para provar que a dupla Burton e Johnny Depp é capaz de errar



Tá Rindo de Que?:
Não tem como ficar ruim um filme que junta o diretor Judd Apatow e o ator Adam Sandler, não? Tudo poderia dar muito certo se não fosse por um simples detalhe, os dois decidem fazer um filme sério, que acaba sendo chato em vez de engraçado

O Clube Recomenda

Em 1987, Predador foi concebido como um filme de ação simples com um ator procurando virar astro (Arnold Schwarzenegger) e uma reviravolta bizarra - em vez de vilões normais, havia alienígenas. Arnold tornou-se uma das maiores estrelas do cinema, e os caçadores do espaço voltaram para sequências, games, quadrinhos e, agora, ganham uma ''reimaginação'' sob a produção de Robert Rodriguez (Sin City) e com protagonistas inusitados: Alice Braga e Adrien Brody.

Predadores
O filme mostra os dois atores como militares, que, ao lado de outras vítimas aleatórias, caem em uma estranha selva e passam a ser caçados por um grupo de alienígenas,


Quando o assunto é supercomputação, o Brasil não é muito famoso por ter máquinas que ocupam várias salas e geram números absurdos. Mas o Inpe decidiu mudar isso, ao adquirir um XT6, da Cray, por cerca de 50 milhões de reais. E no que essa mente brilhante, que atinge 244 teraflops, irá trabalhar? Em previsão do tempo, oras.

A compra foi feita com apoio da Fapesp e do Ministério de Ciência e Tecnologia. A máquina chegou ontem em Cachoeira Paulista, São Paulo, onde se hospedará por longos anos. Foram necessários caminhões climatizados para entregar os 84 pedaços do supercomputador, que vieram direto da fábrica da Cray, em Winsconsin – será preciso um mês para a instalação de hardware e software do novo monstro. Ele deve ficar parecido com a máquina da foto acima, do Oak Ridge National Laboratory, em Tennessee, que também trabalha com previsões climáticas e adquiriu um XT6.

A máquina será usada para aumentar a capacidade de prever situações climáticas de todos os tipos. Será mais fácil prever geadas, secas e chuvas intensas. Mas para muitos, a notícia principal é que os erros das previsões do tempo devem diminuir, já que o nível de detalhamento das mudanças climáticas aumentará em 5 quilômetros nos céus da América do Sul. Mas o Inpe também está feliz com outra marca da supermáquina: “com esse equipamento, estaremos entre os cinco maiores centros de climatologia do mundo em capacidade de processamento”, disse Luiz Augusto Toledo Machado à Agência Fapesp.

Nós já tínhamos contado que o único supercomputador brasileiro a figurar entre os 500 mais rápidos do mundo ficava na UFRJ, dentro do Núcleo de Atendimento em Computação de Alto Desempenho. Marcando 64 teraflops por segundo, era a 84ª máquina mais rápida do mundo. Pelo jeito, temos um novo campeão, já que o supercomputador do Inpe, com 13 gabinetes, atinge 244 teraflops. A máquina antiga do Inpe atingia humildes 6 teraflops, e sem dúvida está com o rabo entre as pernas e morrendo de inveja. O mais novo supercomputador brasileiro deve começar a rodar suas previsões climáticas no início de 2011, e espero que essa bola de cristal saiba bem se vai cair ou não um pé d'água nos feriados do próximo ano

iPad se torna eletrônico com mais rápida taxa de vendas, diz pesquisa


A venda de três milhões de unidades em três meses, desde seu lançamento em abril deste ano, tornou o tablet iPad, da Apple, o aparelho eletrônico adotado de forma mais rápida pelos consumidores, segundo pesquisa da Bernstein Research.

O ritmo de vendas é três vezes maior ao do iPhone e dez vezes às vendas de tocadores de DVD, com 350 mil unidades no primeiro ano de mercado. Os aparelhos de DVD levaram cerca de cinco anos para atingir os números atuais do iPad.

Esta seqüência de vendas do tablet poderá levar esta categoria a superar celulares e consoles de vídeo-game em vendas e atingir a quarta posição no ranking de eletrônicos do mercado norte-americano, liderado hoje por televisores, smartphones e notebooks. A Bernstein estima faturamento de US$ 9 bilhões com os tablets

Máscaras


Será que nosso comportamento é sempre o mesmo diante das pessoas que convivem conosco no lar e com aquelas que convivemos vez que outra? Os fatos nos demonstram que assim não é.


Mas a quem enganamos, então? Aos familiares ou aos outros?


Ou será que enganamos a nós mesmos? A maioria de nós tem um comportamento diferente diante de pessoas diferentes. É o chamado departamento de marketing. Assim, considerando que o inter-relacionamento pessoal é uma arte de dissimular sentimentos, afivelamos a máscara correspondente a cada momento e variamos conforme as circunstâncias, ocasiões e pessoas com as quais nos comunicamos.


Se queremos parecer bem para a pessoa com quem nos relacionamos, usamos a nossa aparência agradável. Vendemos uma imagem nem sempre verdadeira. Dissimulamos sentimentos e simulamos um comportamento de acordo com a imagem que queremos passar.


Dessa forma, estamos prejudicando a nós mesmos, gerando conflitos íntimos, fazendo esforços para parecer quem na realidade não somos. Se quisermos descobrir quem somos de fato, basta que nos observemos no trato com os familiares. Em casa é que normalmente somos verdadeiros.


É comum ouvirmos elogios a pessoas que convivem conosco, por parte de amigos, que só as encontram de vez em quando. Nós, por nossa vez, costumamos pensar: quem não conhece, que compre! Essa pessoa, querendo parecer bem, afivela a máscara da afabilidade, da doçura, e vende uma imagem falsa. Homens gentis, patrões educados, costumam ser pais déspotas, irados ou mudos junto aos familiares.


Mulheres caridosas, exemplos de polidez, não raras vezes se mostram mães indiferentes, esposas nervosas, sem consciência de que quem realmente tem o direito ao afeto, são os próximos mais próximos, que se encontram sob o mesmo teto. Jovens sorridentes, que se desdobram em gentilezas com os amigos, tornam-se verdadeiras feras, portas adentro do lar, no convívio com pais e irmãos.


A quem pensamos enganar?

Será que a vida é um eterno baile de máscaras?


E quando a nossa consciência nos cobrar fidelidade entre o pensar e o agir? Um dia teremos que nos despojar de todas as máscaras e nos mostrar tal qual somos, sem dissimulações.


Por esse motivo, vale a pena começar sem demora a luta por sermos verdadeiros, fazendo com que cada vez que coloquemos a máscara da bondade, ela possa deixar em nós marcas de bondade.


Quando usarmos a máscara da gentileza, nos deixemos influenciar por ela; quando a da fidelidade, deixemo-nos impregnar, até que, quando menos esperarmos já estaremos sendo verdadeiros, mudando a nossa paisagem íntima de forma definitiva.

Cenas de 'Amanhecer' podem ser filmadas em Paraty


Em conversa realizada no dia (1/10/2010), o diretor-presidente da RioFilme, Sérgio Sá Leitão, antecipou mais algumas novidades em relação às negociações para as filmagens de Amanhecer, último título da saga Crepúsculo. Segundo ele, apesar de não haver ainda confirmação, as sequências que podem ser filmadas no Brasil serão a da chegada dos personagens Bella (Kristen Stewart) e Edward (Robert Pattinson) a uma ilha brasileira cujo cenário será a cidade de Paraty, no litoral fluminense.

Leitão disse ainda que o que se negocia hoje com a Summit, produtora da franquia, são pré-requisitos que todas as produções internacionais precisam preencher: "Primeiro precisamos saber qual vai ser o gasto total de um filme na cidade do Rio de Janeiro. Porque aí vou avaliar quanto eu trago pra cidade pra cada real que investirmos naquele título. Tem que ser uma equação que vale a pena. Segundo pergunto quantos empregos aquilo vai gerar. E terceiro precisamos ter uma base do roteiro, porque não vamos investir, por exemplo, em um filme como Turistas (produção de 2006 que mostrava brasileiros como assassinos crueis de inocentes americanos)."

Ele completa: Precisamos não apenas de um retorno econômico, mas também de um retorno promocional para a cidade." Leitão explica que o que se fala bastante hoje na indústria para a promoção de cidades se aplica à negociação conhecida como "product placement", em que a locação é vendida como um produto, tal como uma garrafa de refrigerante. Só que, em lugar da marca, a contrapartida do filme é exibir "postcards shots" (tomadas do tipo cartão postal) em algum momento do filme.

"Com Velozes e Furiosos 5, por exemplo, nós tentamos fazer com que eles viessem filmar aqui. Terminamos não conseguindo (as filmagens que se passam no Brasil foram filmadas em Porto Rico), mas as cenas do filme no Rio de Janeiro vão sim aparecer, só que em CG (computação gráfica). Há uma sequência lá de perseguição de carros na ponte Rio-Niterói cuja ponte foi criada no computador".

Ator que interpreta criador do Facebook não usa rede social

Trabalho é algo que nunca faltou para Jesse Eisenberg, que ao longo dos anos já atuou em filmes de estúdio como Férias Frustradas de Verão e Zumbilândia e outros independentes como A Lula e a Baleia.

Agora o ator de 26 anos será visto em seu papel de maior destaque até o momento, representando o executivo-chefe do Facebook, Mark Zuckerberg, em A Rede Social.

Dirigido por David Fincher, o filme é baseado no livro de Ben Mezrich The Accidental Billionaires: The Founding of Facebook, A Tale of Sex, Money, Genius, and Betrayal (Os bilionários acidentais: a fundação do Facebook, uma história de sexo, dinheiro, genialidade e traição). O filme não apenas relata como foi criado o site transformador, como também os processos judiciais que decorreram desse processo.

Eisenberg conversou com a Reuters sobre como foi representar Zuckerberg e porque ele próprio não é usuário do Facebook.

O filme é relatado desde três pontos de vista diferentes: o de Zuckerberg, de seu ex-melhor amigo Eduardo Saverin e o dos irmãos gêmeos idênticos Tyler e Cameron Winklevoss. No final, com qual ponto de vista você concorda?

Eisenberg: Meu trabalho como ator foi defender meu personagem, Mark Zuckerberg, todos os dias durante seis meses, 14 horas por dia, enquanto estávamos filmando. Logo, para mim, pessoalmente, nunca houve nenhuma dúvida de que meu personagem era um sujeito responsável, que tinha razão e que era um bom amigo, porque foi esse meu trabalho. Se você para de pensar assim, torna-se impossível representar o papel que lhe foi confiado.

Você conheceu Mark Zuckerberg pessoalmente?

Não, nunca. Mas passei seis meses ouvindo-o todas as manhãs no meu iPod.

Não teria feito sentido sentar-se para conversar com o homem que você ia representar?

Eu teria adorado isso, mas foi impossível.

Por que?

Por toda uma série de razões. Acho que vou ter que guardar silêncio sobre isso por enquanto. (Zuckerberg disse que se negou a cooperar com os criadores do filme)

Se surgisse uma oportunidade, você ainda gostaria de conhecê-lo?

Claro que sim! Eu estaria muito interessado em conhecê-lo pessoalmente. Nas últimas semanas de filmagem, meu primo conseguiu um ótimo emprego no Facebook e hoje é funcionário da empresa. Ele me disse que Mark não poderia ter sido mais simpático com ele.

Mark sabia que estava empregando alguém cujo parente o estava representando em um grande filme de Hollywood?

Mark o procurou numa festa na primeira semana em que meu primo estava no emprego e disse: "Acho que seu primo está me representando em um filme - isso é bacana". Eu não poderia ter ouvido coisas mais elogiosas a respeito de Mark, tanto pessoal quanto profissionalmente, de meu primo. Isso coincide com o jeito como me sinto hoje, tendo feito o papel de Mark.

Você está no Facebook?

Não uso o Facebook e nunca tinha entrado no site antes de ler o roteiro de A Rede Social. Mas entrei na fase de pré-produção e percebi imediatamente porque é um fenômeno tão grande.

Então por que não entrar?

Acho que falo em nome de muitos atores quando digo que, quando você vive em um ambiente público, como nós, passa a dar enorme valor à sua privacidade. Essa é a razão principal pela qual não estou no Facebook. Mas minha mãe encontrou no Facebook amigas com quem foi a acampamentos de férias quando era garota.

Então, se você não fosse ator, estaria no Facebook?

Tenho certeza que sim. Quando surgiu o America Online (Messenger), foi como um tipo muito inicial de site de relacionamento social, com mensagens instantâneas. Eu tinha tipo 13 anos. Eu e meus amigos voltávamos da escola e passávamos horas trocando mensagens instantâneas.