Scarlett Johansson deve voltar a atuar em 'Homem de Ferro 3'


Além de Robert Downey Jr., que interpreta o personagem principal do longa, as belas atrizes Gwyneth Paltrow e Scarlett Johansson devem retomar as personagens assumidas em Homem de Ferro 2, respectivamente, Virgínia "Pepper" Potts e Viúva Negra.
As filmagens do longa começam em maio, na Carolina do Norte, e devem ser encerradas em setembro. Escrito e dirigido por Shane Black, roteirista do sucesso Máquina Mortífera, o filme estreia nos cinemas norte-americanos no dia 3 de maio de 2013

O Clube Recomenda


Este drama impressiona por ser baseado em fatos reais, além de mostrar o amor incondicional entre uma irmã, que mesmo estando em condições desfavoráveis não deixa de acreditar na inocência de seu irmão.

Com imitações de Otávio Mesquita e Boris Casoy, "Pânico" promete o mesmo programa na Band, mas com mais qualidade


"Não é um novo programa. É o mesmo 'Pânico' com um visível ganho de produção". É assim que um diretor da Band resume a nova atração da casa, cuja estreia está confirmada para este domingo, 1 de abril, às 21h.
A emissora também confirmou que o "Pânico" será reprisado às sextas, às 21h20, tal como era na RedeTV!, onde o programa nasceu e foi exibido por quase dez anos.
Em evento realizado num restaurante na Vila Olímpia, a equipe conversou com jornalistas e apresentou o novo integrante da trupe, o humorista Guilherme Santana, que fará o personagem "Otário Mesquita", uma sátira ao apresentador Otávio Mesquita, da própria Band. O jornalista Boris Casoy também será alvo de uma imitação do "Pânico".
Novas panicats foram escolhidas, mas só devem ser conhecidas na estreia, no dia da mentira. "Mas não é mentira", garantem os humoristas.


Após 244 anos, Enciclopédia Britânica deixa de ser impressa


A tradicional Enciclopédia Britânica vai deixar de ser impressa depois de 244 anos. Segundo o jornal The New York Yimes, com a concorrência da era digital e da internet - principalmente da Wikipédia -, a Britânica vai concentrar seus esforços na enciclopédia online e currículos educacionais para escolas.
A última edição da enciclopédia será a de 2010, um conjunto de 32 volumes que pesa 129 kg e inclui atualizações sobre o aquecimento global e o Projeto Genoma Humano. "É um rito de passagem desta nova era" afirmou Jorge Cauz, presidente da Encyclopaedia Britannica, empresa sediada em Chicago. "Algumas pessoas vão se sentir tristes e nostálgicas com isso. Mas nós temos uma ferramenta melhor agora. O site é atualizado continuamente, é muito mais extenso e conta com recursos multimídia", afirmou.
As vendas de publicação atingiram o pico em 1990, quando 120 mil obras foram vendidas nos Estados Unidos. Atualmente, porém, a versão impressa da enciclopédia representa apenas 1% da receita da companhia. Cerca de 85% vêm da venda de produtos do currículo escolar em disciplinas como matemática, ciências e língua inglesa. O restante, segundo o The New York Times, vem de assinaturas do site.

O esforço para dobrar a velocidade da internet


As pessoas acessam um site de vendas ou notícias com menor frequência se ele for 250 milissegundos mais lento do que um concorrente próximo

Espere um segundo. Não, isso é tempo demais. Você se lembra de quando estava disposto a esperar alguns segundos para que o computador respondesse a um clique num site ou a um toque no teclado? Hoje em dia, até mesmo 400 milissegundos - literalmente um piscar de olhos - é demorado demais, segundo uma descoberta de engenheiros do Google. Esse atraso quase imperceptível faz com que as pessoas pesquisem menos. "Subconscientemente, você não gosta de esperar", disse Arvind Jain, engenheiro do Google e principal maestro de velocidade na empresa. "Cada milissegundo importa".

O Google e outras empresas de tecnologia estão numa nova busca por velocidade, desafiando pessoas como Jain a acelerar o que já é rápido. O motivo é que smartphones e tablets sedentos por dados vêm criando frustrantes congestionamentos digitais - à medida que usuários baixam mapas, vídeos de esportes, novas atualizações ou recomendações para restaurantes próximos. A competição para ser o mais rápido é feroz. As pessoas acessam um site de vendas ou notícias com menor frequência se ele for 250 milissegundos mais lento do que um concorrente próximo (um milissegundo corresponde a um milésimo de um segundo). "Essa diferença de 250 milissegundos, seja para mais ou para menos, está perto do atual número mágico da vantagem competitiva na internet", afirmou Harry Shum, cientista da computação e especialista em velocidade da Microsoft.

O desempenho dos sites varia, assim como as expectativas dos usuários. Uma pessoa é mais paciente esperando um vídeo carregar do que pelo resultado de uma busca. E os sites enfrentam constantes conciliações entre riqueza visual e agilidade de resposta. Como sites de entretenimento e notícias oferecem mais vídeos e imagens interativas, isso pode deixar as coisas mais lentas. Segundo pesquisas, porém, a velocidade importa em qualquer contexto. Quatro de cada cinco usuários online deixam o site se um vídeo demora para carregar.

Em celulares, uma página web leva vagarosos nove segundos para carregar, segundo o Google, que rastreia uma enorme gama de sites - de páginas principais de grandes empresas às legiões de blogs individuais. O tempo médio de download em computadores pessoais é de seis segundos mundialmente, e cerca de 3,5 segundos nos Estados Unidos. Os grandes mecanismos de busca, como Google e Bing, são os demônios da velocidade na web, dizem analistas, geralmente entregando resultados em menos de um segundo.

A sede por velocidade nos smartphones é uma oportunidade de negócio para empresas como a Akamai Technologies, especializada em ajudar sites a entregar serviços mais rapidamente. A Akamai pretende lançar, ainda em março, um software acelerador de celulares para reduzir o tempo de carregamento de sites ou aplicativos. O governo também reconhece a importância da velocidade na computação móvel. Em fevereiro, o congresso dos EUA abriu as portas a um aumento de capacidade de rede para dispositivos móveis, propondo uma legislação que permite o leilão de ondas públicas - hoje usadas em transmissões televisivas - para provedores de internet sem fio.

Superar as barreiras de velocidade se tornou parte da história da internet. Na década de 1990, quando a World Wide Web ganhou popularidade, ela era chamada de "World Wide Wait" (ampla espera mundial, em tradução literal). Invenções e investimentos atenderam ao chamado. Instalar cabos de fibra ótica para transmissões de alta velocidade foi a primeira solução. Mas, além da largura de banda, a internet ficou mais rápida devido a inovações em algoritmos de software para roteamento de tráfego - e à distribuição de servidores ao redor do mundo, mais próximos dos usuários.

A Akamai, que surgiu no Laboratório de Ciência da Computação do MIT, criou seu negócio fazendo apenas isso. A maioria dos grandes sites de hoje usa tecnologia da Akamai. A empresa vê a internet móvel como o próximo grande desafio. "As expectativas dos usuários estão cada vez mais curtas, e a infraestrutura de celulares não foi construída para esse tipo de velocidade", explicou Tom Leighton, cofundador e principal cientista da Akamai, que é também professor do MIT. "E isso é uma oportunidade para nós." A própria necessidade por velocidade parece estar acelerando. No início da década de 1960, os dois professores do Dartmouth College que inventaram a linguagem de programação BASIC, John Kemeny e Thomas Kurtz, configuraram uma rede onde muitos estudantes podiam acessar um único grande computador por terminais com teclados. "Descobrimos", observaram eles, "que qualquer tempo de resposta com mais de 10 segundos destrói a ilusão de ter seu próprio computador".

Em 2009, um estudo da Forrester Research mostrou que compradores online esperavam que as páginas carregassem em dois segundos ou menos - e com três segundos, uma grande parcela deixava o site. Apenas três anos antes, um estudo similar da Forrester descobriu que a expectativa média de carregamento de página era de quatro segundos ou menos. A regra dos dois segundos ainda é bastante citada como padrão para sites de comércio eletrônico. Mesmo assim, especialistas em interação homem-computador dizem que a regra está ultrapassada. "A velha diretriz de dois segundos já foi há tempos ultrapassada na corrida das expectativas online", afirmou Eric Horvitz, cientista dos laboratórios de pesquisa da Microsoft.

O Google, que recolhe mais receita com publicidade online do que qualquer outra empresa, pode se beneficiar mais que a maioria caso a internet fique mais rápida. Jain, que trabalhou na Microsoft e na Akamai antes de se juntar ao Google, em 2003, é defensor da velocidade tanto dentro quanto fora da empresa. Ele conduz um programa "Torne a internet mais rápida", iniciado em 2009. Ele também assume posições importantes em grupos de padrões da indústria. A velocidade, segundo Jain, é um elemento crucial dos produtos do Google. Existe até mesmo um orçamento para velocidade em toda a empresa; novas ofertas e ajustes de produtos não devem desacelerar os serviços do Google. Mas já houve lapsos.

Em 2007, por exemplo, depois que a empresa lançou novas ofertas populares como o Gmail, as coisas se desaceleraram ao ponto de os líderes do Google emitirem um "Alerta Amarelo" e distribuírem cronômetros de plástico aos seus engenheiros, para enfatizar a importância da velocidade. Ainda assim, nem todos estão alinhados com a atual corrida pela velocidade. Kurtz, o cientista da computação de Dartmouth que coinventou o BASIC, tem hoje 84 anos _ e admira como as coisas mudaram. Os computadores e redes de hoje, concluiu Kurtz, "são rápidos o bastante para mim".

Fonte: Veja


História das Coisas revela as conexões entre diversos problemas ambientais e sociais, e é um alerta pela urgência em criarmos um mundo mais sustentável e justo.


Tatu é escolhido pela Fifa como mascote da Copa do Mundo no Brasil, diz revista


  • Animal se curva quando ameaçado, parecendo uma bola de futebol
O mascote da Copa do Mundo de 2014 será um Tatu, animal em extinção. O Comitê Organizador Local da Copa oficializará a escolha da Fifa em outubro. De acordo com a revistaVeja, antes de anunciarem o Tatu como mascote, será preciso registrar a marca na Europa.
A presença do Tatu, espécie Tatu-bola, como candidato a mascote teve influência da Associação Caatinga, ONG cearense voltada à preservação ambiental. A entidade promoveu campanha pleiteando a espécie como representante do Mundial, destacando que o animal se curva, “transformando-se em uma bola”, quando ameaçado de caça.
O Tatu derrotou o Saci, figura preferida do ministro do Esporte, Aldo Rebelo. A onça e a arara também agradavam o ministro como candidatos a mascote da Copa do Mundo.

Ecad recua em cobrança de vídeos incorporados a blogs

Polêmica começou quando blogueiros passaram a receber notificações do órgão de controle dos direitos autoriais por postar material do Youtube

O Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) voltou atrás  no sábado dia 10/03/2012  em sua decisão de cobrar blogueiros pela incorporação de vídeos do YouTube em suas páginas. A instituição também informou que nunca teve a intenção de cercear a liberdade na internet e cobrar direitos autorais por vídeos 'embedados' – isto é, adicionados a páginas de blogs e sites. A polêmica começou quando blogueiros passaram a receber notificações do Ecad por usarem vídeos do Youtube, que pertence ao Google.

Alguns internautas receberam cobranças de 352 reais mensais por colocarem vídeos em seus posts – textos publicados em blogs. Na época, o Ecad justificou-se dizendo que era uma forma de "retransmissão musical" e, por isso, os direitos autorais deveriam ser pagos. A entidade, porém, já recebe pagamento diretamente do Google, com quem assinou um acordo para direitos autorais de todos os vídeos que circulam pelo Youtube.

Em comunicado, o Google Brasil posicionou-se contra a cobrança dos usuários que incorporam vídeos do Youtube. "Esses sites não hospedam nem transmitem qualquer conteúdo quando associam um vídeo do YouTube em seu site", escreveu o diretor de políticas públicas e relações governamentais do Google Brasil, Marcel Leonardi, em nota publicada na sexta-feira 09/03/2012. De acordo com Leonardi, o Ecad não pode cobrar por vídeos inseridos por terceiros. "Em nossas negociações com o Ecad, tomamos um enorme cuidado para assegurar que nossos usuários poderiam inserir vídeos em seus sites sem interferência ou intimidação por parte do Ecad", diz o texto.

Em sua nota de esclarecimento, o Ecad reavalia as cobranças de webcasting  – transmissão de informações pela internet – desde o fim de fevereiro e afirma que as notificações devem ter ocorrido antes da mudança. "A instituição também não possui estratégia de cobrança de direitos autorais voltada a vídeos embedados. Mesmo assim, decorreu de um erro de interpretação operacional, que representa fato isolado no universo do segmento", explicou o escritório.

(com Agência Estado)

Charles Darwin estava certo!!


Genoma do gorila revela semelhanças com seres humanos
Animal foi o último dos grandes macacos a ter genoma sequenciado.

Feito ajuda a entender a evolução de símios e humanos.







Quando os cientistas começaram a sequenciar o genoma da gorila Kamilah, de 35 anos, eles esperavam encontrar algumas similaridades com os humanos. O que eles descobriram, no entanto, foi uma semelhança bem maior: pelo menos 15% do nosso genoma é mais parecido com o dos gorilas do que com o de nossos “parentes” mais próximos, os chimpanzés.

Antes, é preciso entender algumas coisas. Gorilas, chimpanzés e seres humanos têm todos um ancestral em comum. Primeiro, os gorilas se distinguiram e seguiram seu próprio caminho evolutivo.


 Depois, humanos e chimpanzés se separaram. É por isso que o chimpanzé é considerado o animal mais parecido com o ser humano -- e o gorila, o segundo.

Kamilah é um “gorila do Ocidente” (nome científico Gorilla gorilla) e a primeira de seu gênero a ter todo o seu genoma sequenciado. Depois dela, os cientistas ainda compararam os resultados com outros dois animais da mesma espécie e um outro “gorila do Oriente” (Gorilla beringei).



Os dados mostraram que a separação dos gorilas do nosso ancestral comum aconteceu há cerca de 10 milhões de anos – quatro milhões antes da separação entre humanos e chimpanzés.
O mais surpreendente, no entanto, foi a revelação de que 15% dos genes humanos parecem bem mais com os do gorila do que com os do chimpanzé. A maior parte deles não é capaz de formar proteínas – e isso era esperado, já que a maior parte do genoma como um todo não faz isso.



Mas, entre os genes que fazem, alguns tiveram mudanças mais rápidas do que seriam esperadas nos gorilas, mais ou menos na mesma velocidade com que elas ocorreram nos seres humanos. Entre eles, genes envolvidos no desenvolvimento cerebral e na audição.
Isso surpreendeu os pesquisadores. A rápida evolução no gene da audição é uma das coisas que se acredita que levaram ao desenvolvimento da fala em humanos. Mas os gorilas tiveram uma evolução tão rápida quanto nesse gene – e gorilas não falam. “Se eles falam, estão guardando segredo”, brinca o cientista Aylwyn Scally, do Wellcome Trust Sanger Institute, no Reino Unido, que fez o sequenciamento, publicado em  (07/02/2012) na revista científica “Nature”.



A descoberta pode invalidar uma das explicações mais aceitas sobre como nossos ancestrais desenvolveram a fala.

O sequenciamento genético também pode render resultados médicos. Entre nossos genes "comuns", estão alguns que causam problemas cardíacos e demência em pessoas -- mas são completamente inofensivos nos gorilas. Se pudermos entender porque eles não fazem efeito nos macacos, novas possibilidades de tratamentos e cura se abrem.
Com o genoma do gorila, os cientistas encerram agora o mapeamento completo dos quatro grandes
 primatas vivos: humanos, chimpanzés, gorilas e orangotangos.


Fonte G1






A família mudou está mudando e vai continuar a mudar

Ter filhos e muito difícil a mais pura verdade






Ter filhos é algo que assusta ou fascina os novos pais? A psicóloga Rosely Sayão parte de uma análise dos valores contemporâneos para falar sobre o modelo e o papel da família hoje. E amplia o tema, tirando-o de dentro das quatro paredes da casa para discuti-lo entre os muros da escola.
Em tempos de consumismo, para muitas famílias ter filhos transformou-se em ato de consumo. A educação das crianças tem sido terceirizada a babás, escolas, avós, profissionais das mais variadas áreas, professores particulares e de cursos específicos, entre outros. Vamos refletir a respeito das relações familiares no mundo contemporâneo e em especial das relações da família com a escola, responsável pela educação formal dos mais novos.

Informação alimenta expectativa de lançamento do tablet em março de 2012

Carregamentos com o iPad 3, a próxima geração do tablet da Apple, já começaram a ser enviados da China, onde o equipamento é fabricado, para os Estados Unidos, segundo sites chineses e americanos especializados em tecnologia.

Documentos de embarque obtidos na China detalham o envio de uma mercadoria produzida na fábrica chinesa da companhia Foxconn, onde é feito o iPad, para as cidades de Chicago, Nova York e Los Angeles. Os carregamentos começaram a ser enviados neste domingo e devem chegar ao destino até o dia 9 de março.

Não se sabe se os documentos são legítimos. Apesar disso, eles confirmam os rumores de que o iPad três deve ser apresentado em março.

Fonte: Veja